PROJETO “O EU, O OUTRO E O NÓS”



Escola Municipal de Educação Infantil Luiz Adriano da Costa


As atividades Propostas neste projeto estão vinculadas aos Campos de Experiência e aos Direitos de Aprendizagem, previstos na BNCC, contemplando a dimensão de aprendizagem socio emocional. Na dimensão socio emocional e no Campo de Experiência “Eu, o outro e o nós”, vislumbramos a oportunidade de ampliar a sensibilidade, e a afetividade. As interações são fundamentadas nos princípios, valores e em vivências que oportunizam o protagonismo infantil na construção da identidade, nas relações de respeito consigo e com outro, tendo como fator de preocupação a questão da pandemia do COVID 19. No Projeto SORRIA, as crianças são incentivadas a reconhecerem, a identificarem e a expressarem as suas emoções por meio de propostas de aprendizagem que primam por vivências, histórias, canções, entre outros com intencionalidade pedagógica, visando ao desenvolvimento integral. Tais vivências favorecem o processo de autoconhecimento e possibilitam a validação das emoções, o acolhimento dos sentimentos e construção da identidade.


SORRIA


INTRODUÇÃO

O acolhimento na educação infantil é um dos pilares para a construção de uma relação de parceria entre família e escola, além de constituir-se como elemento fundamental na rotina do trabalho pedagógico em diferentes espaços e tempos na educação infantil. Segundo Barbosa e Horn (2008, p.49) “O meio social é um fator preponderante no desenvolvimento dos indivíduos, fazendo parte constitutiva desse processo. Ao interagirem nesse meio e com outros parceiros, as crianças aprendem pela própria interação e imitação.” A sensibilidade do professor é fator fundamental para as crianças nesta fase do personalismo, “pela escuta sensível ele tem a oportunidade privilegiada para acolher a ansiedade e as dúvidas das crianças e elaborar situações cotidianas reflexivas e contextualizadas” (CERQUEIRA, 2011, p.65). Acolher uma criança é, também, acolher o mundo interno da criança, as suas expectativas, os seus planos, as suas hipóteses e as suas ilusões. Significa não deixar passar, como se fosse tempo inútil, o tempo que a criança dedica as atividades simbólicas e lúdicas, ou o tempo empregado para tecer as relações “escondidas” com outras crianças. (STACCIOLI, 2013, P. 28) As crianças de três a seis anos de idade, encontram-se em um estágio de desenvolvimento chamada de personalismo, como traduz GALVÃO: “Nessa idade, a criança ainda tem grandes exigências afetivas, tem sede de solicitude e deve ser cercada de uma atmosfera de ternura: a disciplina da escola maternal não pode apresentar a frieza objetiva que assumira na escola primária. (2011, p. 120). É preciso, segundo o currículo em movimento da educação infantil considerar a escola como uma espaço único de oportunidades de experiências sociais, culturais e outras


A instituição de Educação Infantil deve ser, enfim, um lugar de encontros dialógicos... Isso posto, escola e família, exercendo funções distintas e complementares, devem ter um objetivo comum: propiciar


a formação de crianças capazes, competentes e ativas para enfrentar as complexidades da sociedade contemporânea. (BRASIL, 2014, p. 68) As diretrizes curriculares nacionais da educação básica trazem a importância da escola promover assegurar os espaços e tempos para o estreitamento de laços entre família e escola. Acolher as famílias, de acordo as diretrizes curriculares da educação básica, em sua diversidade e acolher as crianças em suas singularidades são atitudes fundamentais para a efetivação do trabalho da escola. As crianças são sujeitos históricos, vivendo suas infâncias dentro de diferentes configurações familiares, e neste momento dentro de suas casas tendo em vista a pandemia que assombra toda a humanidade. Segundo Faria e Salles (2012, p.44) “desse modo, torna-se claro também que quanto mais forte a parceria entre a família e a instituição, mais positivo e significativo será o resultado na formação do sujeito”. Conflitos e duvidas são inevitáveis nestas construções sociais, e o papel da escola é criar estratégias para que as famílias se apropriem deste espaço pedagógico e atue nele como parceiras.


JUSTIFICATIVA

A elaboração desse projeto, justifica-se por compreender que a afetividade é um fator essencial tanto no ambiente familiar quanto no escolar. E a relação harmônica entre estes dois ambientes sociais só é possível quando as famílias se sentem seguras com o trabalho desenvolvido e participante do mesmo e quando a escola busca meios de serem valorizadas, através de um projeto político pedagógico eficaz, associações efetivas entre a família e a escola, principalmente em um momento como o que estamos atravessando com a pandemia da Covid 19, onde famílias estão convivendo com o luto, com o medo, a insegurança e a incerteza do futuro. É necessário cuidar e administrar as emoções de maneira constante e contínua, visto que não se sabe até quando vivenciaremos essa situação. Resguardadas as devidas proporções, sabe-se que todos sofreram, estão sofrendo ou sofrerão, em certa medida, os impactos da pandemia que podem ser vários:


  • Perda de um ente querido;

  • Viver a experiência de contrair o vírus;

  • Carência de elementos básicos como a alimentação;

  • Perda da fonte de renda de um pai, mãe ou responsável;

  • Dificuldade ao acesso à tecnologia para acesso ao ensino remoto;

  • Problemas de acesso aos serviços de saúde.


As crianças estão, nesse sentido, absorvendo todas as energias e cargas negativas oriundas de exaustão familiar, sócio econômica e principalmente estão cada dia mais emocionalmente afetadas pelo isolamento.


PERÍODO DE EXECUSSÃO

10/05/2021 A 24/06/2021


OBJETIVOS


GERAL


Busca-se com esse projeto, levar um pouco de imaginação, que faz parte do mundo da criança e que não devemos deixar que seja enfraquecido com a pandemia


ESPECÍFICO

  • Que o professor possa observar a questão sócio emocional da criança;

  • Trazer a alegria de estar em contato com o outro mesmo que por intermédio de mídias sociais;

  • Criar e fortalecer os laços entre os envolvidos;

  • Proporcionar momentos de alegria e interação entre o grupo.

METODOLOGIA

  • Diálogo;

  • Vídeo ilustrado informativo;

  • Canções (como é que está/ se você está feliz)

  • Vídeo “DIVERTIDAMENTE”;

  • Utilização das mídias sociais para os devidos fins (apresentar músicas/ sugestão de vídeos/ diálogo/ troca de informações etc.)

  • Confecção de bichinho da alegria pela equipe escolar.

RECURSOS

  • Vídeos;

  • Papéis (cartão/ cartolina/ sulfite)

  • Lápis de escrever, lápis de cor e canetinha;

  • Lã;

  • EVA.

  • Cola quente;

  • Mídias digitais (Celular, Tablet, Computador)


CRONOGRAMA

CULMINÂNCIA

O projeto se findará com a entrega do bichinho da alegria pela equipe escolar.


REFERENCIAS

BARBOSA, Maria Carmen da Silveira; HORN, Maria da graça. Projetos pedagógicos na educação infantil. Porto Alegre, Artmed, 2008. BRASIL. Secretaria de Estado de Educação – SEEDF. Currículo em Movimento da Educação Básica- Educação Infantil, Brasília –DF,2014. CERQUEIRA, Teresa Cristina Siqueira. (Con)Texto em escuta sensível / Elane Mayara, FARIA, Vitoria Líbia Barreto de; SALLES, Fátima. Currículo da Educação infantil: diálogo com os demais elementos da proposta pedagógica. 2ed., [ver. E ampl.] São Paulo; Ática, 2012. GALVÃO, Izabel. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. STACCIOLI, Gianfranco. Diário do acolhimento na escola da infância; tradução (do italiano) Fernanda Ortale&Ilse Paschoal Moreira. Campinas SP: autores associados, 2013.

MÚSICA “TER EMOÇÃO É BOM”

TER EMOÇÃO É BOM TER EMOÇÃO É BEM LEGAL ELA REVELA QUANDO ALGO ESTA BEM OU MAL. TER EMOÇÃO É BOM TER EMOÇÃO É BEM LEGAL ELA REVELA QUANDO ALGO ESTA BEM OU MAL. NÃO PRECISA EU DIZER UMA PALAVRA MEU CORPO FALA O QUE ESTOU SENTINDO ME PERGUNTE E SE FOR PRECISO INSISTA MINHA EXPRESSÃO ESTÁ TE DANDO UMA PISTA. TER EMOÇÃO É BOM TER EMOÇÃO É BEM LEGAL ELA REVELA QUANDO ALGO ESTA BEM OU MAL. TER EMOÇÃO É BOM TER EMOÇÃO É BEM LEGAL ELA REVELA QUANDO ALGO ESTA BEM OU MAL. QUANDO ALGUEM BRIGA COMIGO EU FICO BRAVO SE NÃO ME OUVE FICO LOGO ABORRECIDO SE ALGO NÃO ME AGRADA EU ME SINTO TRISTE MAS SE ESTÁ BEM EU FICO ALEGRE E AGRADECIDO.

TER EMOÇÃO É BOM TER EMOÇÃO É BEM LEGAL ELA REVELA QUANDO ALGO ESTA BEM OU MAL. TER EMOÇÃO É BOM TER EMOÇÃO É BEM LEGAL ELA REVELA QUANDO ALGO ESTA BEM OU MAL.


EMOÇÕES (O SAPO)


A_______________COMO É QUE ESTÁ AGORA ELA VAI FALAR CONTENTE OU ASSUSTADO COM MUITO MEDO, TRISTE OU PREOCUPADO.





DIREÇÃO:

ROSANGELA

COORDENAÇÃO:

RENATA

PROFESSORES: ANA CLÁUDIA LIMA DOS SANTOS

GABRIELA DA SILVA SALES

JESSICA BOMFIM DE FREITAS

LEANDRO MENDONÇA DA SILVA

LEONILDA DA FONSECA JULIO TEIXEIRA

MARILZA RUVIERO PERECIN SILVA

QUEILA DA SILVA CHAVES ALMEIDA

RONEIR OLIMPIO FERREIRA

23 visualizações